segunda-feira, janeiro 24, 2022
Início TODAS Presidente do SINPOLJUSPI fala sobre saídas temporárias e leis mais duras para...

Presidente do SINPOLJUSPI fala sobre saídas temporárias e leis mais duras para criminosos

A saída temporária é um indulto concedido a presidiários em regime semiaberto para que deixem a unidade prisional em certos períodos do ano, em especial os festivos, devendo retornar no prazo determinado pela Justiça.

Em dezembro do ano passado, 387 reeducandos deixaram o sistema prisional do Piauí devido ao período natalino. Eles deveriam retornar na terça-feira (4), mas alguns ainda não voltaram, de acordo com Vilobaldo Carvalho, presidente do Sindicato dos Policiais Penais (SINSPOLJUSPI).

“Alguns presos aproveitaram a saída temporária para cometer crimes; cerca de 20 detentos não retornaram. Os criminosos profissionais acreditam que devem compensar o tempo perdido na prisão e a forma que encontram de fazer isso é a prática de ilícitos”, explicou em entrevista ao JT1 da Teresina FM.

O presidente do SINPOLJUSPI destacou que a Colônia Agrícola Major César de Oliveira, em Altos, é a única do estado que possui regime semiaberto. Desde 2014, segundo Vilobaldo, o sindicato vinha alertando ao poder público que o sistema iria estourar devido à superlotação da unidade.

“Há a necessidade de descentralização do semiaberto. Todos os detentos sob esse regime estão concentrados na Major César. Além disso, o quadro de policiais penais no Piauí é extremamente defasado, apesar do enorme quantitativo de presos”, criticou Vilobaldo.

Colônia Agrícola Major César de Oliveira, em Altos

Na visão do policial, a legislação atual é muito flexível para quem pratica crimes. Se por um lado há o viés de que os indultos ajudam na ressocialização dos presos, outra alternativa seria oferecer trabalho aos detentos, cuja maioria fica nas penitenciárias de forma ociosa.

“Vários estudos sobre a teoria econômica do crime mostram que boa parte dos presidiários acreditam que o crime compensa no Brasil, principalmente de ordem financeira. A pessoa é presa, passa um tempo na cadeia, mas não é sentenciada. Isso reforça o sentimento de impunidade e desanima a sociedade, que paga caro para ter o mínimo de segurança”, comentou.

 

Fonte: Eric Sousa/Teresina FM

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

MAIS POPULARES

18 de Janeiro de 2022: Sindicato há 37 construindo a História dos Policiais Penais do Piauí

Neste 18 de janeiro de 2022 comemoramos 37 anos de fundação do SINPOLJUSPI. Em 1985 um grupo de guerreiros que sentiam a necessidade de...

Processo de Promoções da Polícia Penal já tramita no Karnak

Conforme anunciado pelo Sindicato, o processo que visa as promoções de 105 Policiais Penais já esta tramitando no Karnak na fase de confecção do...

Polícia Penal do Piauí cria Núcleo de Operações com Cães (NOC) em Bom Jesus

Com um ano e seis meses, Bolt é o primeiro cão policial do Sistema Prisional do Piauí e já está atuando em várias operações...

SINPOLJUSPI se reúne com secretário da Justiça na luta por benefícios para os Policiais Penais

O presidente do SINPOLJUSPI, Vilobaldo Carvalho, esteve reunido na manhã desta quinta-feira (13) com o Secretário da Justiça, Carlos Edílson, tratando de demandas da...

COMENTÁRIOS RECENTES